08 / 09 / 2018 - as 11:39
Médicos cobram interiorização da saúde no Piauí
Em debate que promoveu, na noite de quinta-feira, com os candidatos ao Governo do Estado, Doutor Pessoa (Solidariedade), Luciano Nunes (PSDB), Elmano Férrer (Podemos) e Fábio Sérvio (PSL), o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (Simepi) defendeu a interiorização da saúde no Piauí.
O presidente do Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí, Samuel Rêgo, afirmou que foi o terceiro debate com candidatos ao governo promovido pela entidade desde 2010.
Segundo ele, o sindicato convidou inicialmente os quatro candidatos ao governo mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto, mas com a ausência do governador Wellington Dias (PT), que justificou por estar viajando para o interior do Estado, a solicitação feita pelo candidato do PSL, o pleito de Fábio Sérvio foi acatado.
Samuel Rêgo disse que há uma tentativa dos governos de repassar aos profissionais da saúde a responsabilidade pelos problemas na saúde pública, com queixas de que os médicos se negam a ir para o interior.
Samuel Rêgo afirmou ser necessária a realização urgente de concurso público para médicos no Piauí e do pagamento de gratificação de estímulo à interiorização da saúde.
Elmano Férrer falou da importância da discussão com a classe médica de uma das três questões mais demandadas pela sociedade.
Luciano Nunes afirmou que os gastos do Governo do Estado com saúde não são eficientes, pois a saúde do Piauí está mal, as pessoas não tem atendimento, os hospitais não tem resolutividade e sobrecarregam a rede municipal de saúde de Teresina, justamente pela ineficiência do gastos.
“Esse governo está gastando muito e gastando mal. A eficiência do gasto é fundamental para o sucesso de qualquer administração. Ter eficiência no gasto é ter planejamento estratégico, é saber o que é que tem que ser feito e executar bem aquilo que está planejado, é reestruturar os hospitais regionais, melhorar as condições físicas, é valorizar os profissionais para atender bem a população, isso é que é eficiência. Nossa gestão será eficiente, com planejamento estratégico, metas estabelecidas, e com cobrança de resultados. Hoje todos os serviços públicos estão sendo mal avaliados e a culpa está indo para o servidor, quando na verdade a responsabilidade é da gestão”, disse Luciano Nunes.
 
meionorte


   



PUBLICIDADE