01 / 03 / 2018 - as 07:55

A defesa de Adão José de Sousa, 43 anos, condenado a 100 anos e 8 meses em regime fechado por ser mentor do estupro coletivo de quatro adolescentes em maio de 2015, em Castelo do Piauí, 189 km de Teresina, recorreu da decisão do Tribunal do Júri nesta quarta-feira (28).
 
De acordo com o defensor público Darcio Rufino as provas documentais do processo apontam para a não participação do réu no crime.A condenação de Adão de Sousa foi proferida por volta das 4h desta quarta-feira (28) após cerca de 14 horas de julgamento.
 
Logo em seguida, a defesa entrou com recurso afirmando que a perícia técnico-cientifica; o exame de DNA, com base no material biológico encontrado; as oitivas das vítimas e das testemunhas ilustram a ausência do réu no crime e mostram que sequer estava na cidade no dia do estupro coletivo.
 
A decisão de considerar Adão de Sousa culpado partiu de um júri formado por cinco mulheres e dois homens depois de aproximadamente duas horas de deliberação. O conselho de sentença entendeu que o réu participou do estupro e comandou os quatro adolescentes que o acompanharam no crime e já cumprem medida socioeducativa.
 
Fonte: G1/PI

01 / 03 / 2018 - as 07:41

Os três adolescentes envolvidos no emblemático estupro coletivo ocorrido em Castelo do Piauí em maio de 2015 devem ser liberados pela justiça em maio de 2018, após cumprirem a pena máxima estabelecida pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
 
O caso veio à tona após a condenação de Adão José Silva Sousa, apontado como mentor do crime.Adão foi condenado a 100 anos, nove meses e 18 dias de prisão em regime fechado pela participação no estupro coletivo de quatro adolescentes no município do Norte do Estado, localizado há 189 km de Teresina. Uma das garotas morreu após as agressões, enquanto que as outras três ainda enfrentam sequelas psicológicas do dia de terror.
 
Os adolescentes estão apreendidos desde maio de 2015. “O processo ainda está em andamento, ainda não transitou em julgado. A defensoria pública apresentou recursos. Primeiramente um de apelação, julgado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Piauí [TJ-PI], que manteve a sentença do juiz de castelo”, explica Gerson Henrique Sousa Filho, defensor público dos menores de idade.
 
A manutenção da sentença levou o defensor a pedir mais dois recursos, apresentados ao Supremo Tribunal de Justiça e o Supremo Tribunal Federal (STF). “Por conta disso a defensoria apresentou mais dois recursos: o recurso especial, para o STJ, e na mesma ocasião apresentou um recurso extraordinário ao STF. Esses recursos ainda não foram conhecidos por nenhum dos dois tribunais, pois eles alegaram que a defesa queria discutir o caso novamente”, analisa o operador do Direito.
 
Gerson Filho apresentou dois agravos de instrumento à justiça em defesa do jovens infratores. “Um em caso especial para o STJ e o extraordinário pelo STF, em Brasília. Se o STF e o STJ derem provimento, eles vão subir os recursos já impetrados”, considera.
 
Fonte: Meio Norte 

28 / 02 / 2018 - as 09:41

Adão José se encontra preso desde 2015 (Foto: Mais Castelo)
 
Depois de cerca de 17 horas de julgamento realizado no Fórum de Castelo do Piauí, Adão José de Sousa foi condenado na noite desta terça-feira (27/02) a 100 anos e 8 meses de prisão em regime fechado, pelo Tribunal do Júri.
 
Após um longo julgamento com testemunhas de defesa, acusação, vítimas e réu, o Conselho de Sentença formado por dois homens e cinco mulheres considerou Adão culpado por estupro, corrupção de menores, porte ilegal de arma, três tentativas de homicídios e um homicídio.
 
O julgamento teve seu início por volta de 10h da manhã pelo juiz Leonardo Brasileiro e percorreu pela tarde e noite. O júri foi formado por debates calorosos entre o advogado de defesa e acusação.
 
Adão é acusado de ser o mentor do estupro coletivo de quatro adolescentes no município de Castelo do Piauí, a 190km de Teresina. O crime ocorreu no dia 24 de maio de 2015 e chocou todo o país.
 
Na chegada de Adão ao Fórum de Castelo, populares entoaram o som de "justiça", muitos também gritavam "assassino". Ao descer da viatura, Adão falou pouco, mas alegou aos repórteres que é inocente.
 
Fonte: Tribuna em Foco

27 / 02 / 2018 - as 10:31

Adão José chega a Castelo do Piauí para julgamento (Fotos: Ronando Mota/Tribuna Em Foco)
 
O réu Adão José Sousa Silva saiu da Colônia Agrícola Major Cesar, em Altos, na manhã desta terça-feira (27/02) em um carro da Secretaria Estadual de Justiça. O relógio marcava 9h:28min no momento que as portas do veículo se abriram e Adão José desceu na porta do Fórum de Castelo do Piauí. 
 
“Justiça”, “assassino” e “monstro” foram algumas das expressões usadas por populares contra o acusado em sua chegada. Após quase três anos preso, Adão volta à cidade depois de ser acusado de praticar tortura e estrupo contra quatro garotas, em maio 2015. Ele teria sido o menor de quatro adolescentes que participaram do crime. 
 
O Tribunal Popular do Júri é presidido pelo juiz Leonardo Brasileiro. O julgamento deve ouvir as três vítimas sobreviventes do ataque e uma testemunha de defesa. As vítimas chegaram ao Fórum local acompanhadas de familiares e demostravam apreensão. 
 
Cerca de 30 policiais fazem o reforço na segurança da cidade. Repórteres e populares se concentram desde a chegada do acusado na frente do Fórum. Ruas que margeiam o prédio estão fechadas para circulação de veículos. A probabilidade é de que o júri se estenda até a tarde de hoje.  
 
 
 
 
Redação Portal Fato

22 / 02 / 2018 - as 08:41

Uma quadrilha de assaltantes fortemente armados explodiu na madrugada desta quinta-feira (22 a agência bancaria do Bradesco, em Castelo do Piauí.
 
Por volta de 01h:20min da madrugada foram ouvidos as primeiras exploões e tiros. A ação durou cerca de 25 minutos. Após saquearem e destruírem a estrutura física da agência, os criminosos saíram em fuga pela PI-115, sentido a cidade de Juazeiro do Piauí. De acordo com uma testemunha que mora ao lado da agência, um forte barulho foi ouvido. O homem achava que tratava-se de um acidente automobilístico. 
 
"Minha mãe ouviu um barulho e pediu para que eu saísse para ver se teria acontecido algum acidente, ao abrir a porta estava um homem em pé do lado de fora de minha residência olhando para o sentido oposto ao meu, quando eu ví que tratava-se de um assalto eu voltei pra trás, no momento eu escute um dos assaltantes informando os minutos ao que estava dentro da agência". disse o morador que mora vizinho ao Bradesco.
 
A Polícia Militar de Castelo esteve no local e em seguida saiu em diligência junto ao grupamento da 2º CIA de São Miguel do Tapuio, em busca de tenta capturar os elementos.
 
 
 
 
Fonte: Marvão Notícias
Edição: Portal Fato

30 / 11 / 2017 - as 08:41

A Secretaria de Segurança Pública do Piauí inicia nesta quinta (30) a Caravana Salve Maria na cidade de Castelo do Piauí a partir das 09 horas no Auditório do Fórum. A Caravana vai levar o debate sobre o enfrentamento da violência contra a mulher com a rede de atendimento, movimentos sociais e profissionais da segurança pública.
 
Os profissionais da segurança de Castelo do Piauí também receberão a capacitação dos técnicos da ATI – Agência de Tecnologia e Informação sobre o manuseio e atendimento das solicitações oriundas do Salve Maria, além de capacitação sobre a preservação do local de crime e investigação do feminicídio. A Caravana Salve Maria também irá difundir o aplicativo junto à população, respondendo as dúvidas e mostrando como baixar o aplicativo no seu celular.
 
Secretaria de Segurança Pública em parceria com a ATI vai desenvolver essas atividades nos Territórios de Desenvolvimento do Estado, na primeira etapa serão as cidades de Castelo do Piauí, Altos, Piripiri, Pedro II, União, Parnaíba, Campo Maior e Esperantina.

07 / 11 / 2017 - as 10:11

Os três adolescentes sentenciados pelo estupro coletivo em Castelo do Piauí, em 2015, serão reavaliados no mutirão da 2ª Vara da Infância  e da Juventude em Teresina. Os menores infratores podem progredir de regime passando da medida socioeducativa de internação para a semiliberdade. Esta é a primeira vez que eles serão reavaliados em sistema de mutirão devido a repercussão do caso e clamor público. 

"Quem está na internação, via de regra, não pode nunca ir para a liberdade. Eles podem sair para a semiliberdade, ou seja, continuam no sistema, mas podem trabalhar e assistir aula durante o dia e à noite retornam para o CEM. No fim de semana, eles também podem ficar com a família", explica a promotora Francisca Vieira e Freitas Lourenço, titular da 46ª Promotoria de Justiça.

Os adolescentes- sentenciados no crime estupro de quatro garotas e morte de uma delas, além do assassinato de Gleison Vieira da Silva- têm 16, 17 e 19 anos. Mesmo completando a maioridade, o jovem maior de idade deve continuar no CEM por no mínimo três anos ou até os 21 anos. 

Caso consigam progressão de medida, no próximo semestre, os adolescentes podem passar para o regime de Liberdade Assistida.

O mutirão envolve órgãos como o Ministério Público, Defensoria Pública, Secretaria da 2ª Vara da Infância e Juventude, o poder Judiciário, polícias Civil e Militar, advogados particulares entre outros.

Mutirão

Ao todo 72 adolescentes do Centro Educacional Masculino (CEM) terão suas medidas socioeducativas revisadas pelo juiz da 2ª Vara da Infância e da Adolescência, Reginaldo Pereira, durante o mutirão que ocorre até a próxima terça  (14).  Atualmente, os CEM possuem 161 internos e 35 estão foragidos.
 
A promotora explica ainda que há critérios para que os adolescentes sejam reavaliados e possam ter progressão de medidas, entre os quais, tempo de internação superior há seis meses. 

"Isso é um rito processo previsto também no Estatuto da Criança e Adolescente (ECA). A cada seis meses devem ocorrer estas audiências que são chamadas de esforço concentrado. Eles devem preencher uma série de requisitos  em relação ao comportamento e à escola. Por exemplo, se conseguiram avançar nos estudos, uma vez que, todos frequentam escola dentro da unidade", ressalta a promotora, acrescentando que nem todos os adolescentes que passarão pelo mutirão terão direito ao benefício de progressão.

 

Com informações do Cidadeverde.com

 


27 / 10 / 2017 - as 10:51

Após ameaçar a própria mãe de morte Revenilson Monteiro da Silva Feitosa, de 19 anos, foi preso na noite de quinta-feira (26). De acordo com informações o fato ocorreu na localidade Pedreira, município de Castelo do Piauí.

Segundo informações da polícia, o acusado que estava embriagado chegou à casa de sua mãe Francisca Alves Feitosa, começou a falar palavras agressivas contra ela e ameaçá-la de morte. Um tio do acusado tentou conter a situação e também foi ameaçado. O jovem totalmente transtornado tentou quebrar a moto com socos e chutes que estava na residência.


Ainda segundo a polícia, devido ao estado agressivo em que Revenilson se encontrava, os familiares amarraram o jovem com medo de que algo pior pudesse acontecer com eles ou, principalmente, com a idosa que ficou bastante nervosa e abalada com o fato, em seguida acionaram a polícia.

O Comandante do GPM SGT Gomes, após receber ligação dos familiares do jovem, designou uma guarnição da Polícia Militar composta pelos SDs Amaral e Joelson, que foram até a comunidade e efetuaram a prisão. O jovem foi encaminhado à delegacia local para que os procedimentos cabíveis fossem adotados.

fonte:Avozdojenipapo



PUBLICIDADE