06 / 04 / 2016 - as 11:59

Pesquisa do Centro Nacional de Modernização (Cenam) estima que o Dia das Mães deve abrir 23 mil vagas de trabalho temporário em todo o país. Parece muito, mas o número é 28% menor que o do ano passado - em um momento em que os desempregados no país já somam 9,5 milhões. Em 2015, foram abertas 32,5 mil vagas temporárias nesse período. A chance de efetivação é de 2%. Veja os setores que devem contratar mais: 

- Indústria: 67%
- Comércio: 12%
- Entretenimento e lazer: 6%
- Feiras e Eventos: 6%
- Limpeza, portaria e serviços (5%) 
- Hotelaria: 4%

Perfil

Segundo a pesquisa os homens devem preencher 56% das vagas disponíveis, as mulheres 44%. As chances de contratação estão também distribuídas por idade:

- Entre 22 e 35 anos: 87%
- Acima de 36 anos: 8%
- Entre 17 e 21 anos: 5%

A maioria das solicitações é de profissionais com o nível médio completo (54%). Ter experiência anterior é a competência mais valorizada para os empregadores, seguida de facilidade para trabalhar em grupo e dinamismo.

 


30 / 03 / 2016 - as 11:27

O delegado regional da Receita Federal, Eudimar Ferreira, declarou que apenas 50 mil contribuintes declararam o Imposto de Renda no Piauí e o prazo para o envio do documento termina no próximo dia 29. Os rendimentos tributáveis abrangem não somente o que se refere a salário, mas também aluguéis recebidos, prêmios de loteria, precatórios judiciais, indenizações ou prestações de serviço durante o ano, ainda que sejam, eventuais. A Receita Federal espera receber 250 mil declarações no Estado. 

"Todos esses são exemplos bem típicos de rendimentos tributáveis que devem ser informados na declaração do imposto de renda. As pessoas que têm mais de uma fonte de rendimento devem ter o cuidado especial, sobretudo, quem tem mais de um salário tem realmente fazer esse exercício de memória para lembrar tudo o que recebeu durante o ano", disse Ferreira. 

Em entrevista ao Notícia da Manhã, o delegado regional da Receita Federal falou ainda sobre o aplicativo de Rascunho do IR, ferramenta que permite preencher um “rascunho” da declaração, onde é possível colocar as informações gradualmente, antes do lançamento oficial do programa da declaração, podendo depois apenas importar o arquivo.

"Essa ferramenta é bastante simples e fica disponível o ano todo até o prazo de início da entrega da declaração. Esse rascunho antecipa o preenchimento. O contribuinte vai inserir nesse aplicativo as informações que ele precisará  informar na sua declaração. Esse ano, entre 1º de março e 29 de abril, como deve ser feito o preenchimento do próprio programa o App não está disponível e agora vai voltar apenas em 1º de maio", explica Eudimar Ferreira.

Neste ano, é obrigado a declarar Imposto de Renda o brasileiro que, em 2015, morava no país e se encaixou em qualquer uma das situações abaixo:

- Recebeu mais de R$ 28.123,91 de renda tributável no ano (salário, por exemplo); ou
- Ganhou mais de R$ 40 mil isentos, não tributáveis ou tributados na fonte no ano (como indenização trabalhista); 

-Teve ganho com venda de bens (casa, por exemplo); ou

-Comprou ou vendeu ações em Bolsas; ou

-Recebeu mais de R$ 140.619,55 em atividade rural (agricultura, por exemplo) ou tem prejuízo rural a ser compensado no ano calendário de 2015 ou nos próximos anos; ou

-Era dono de bens de mais de R$ 300 mil; ou

-Vendeu uma casa e comprou outra num prazo de 180 dias, usando isenção de IR no momento da venda

O contribuinte pode escolher o modelo completo ou o simplificado para enviar sua declaração. Na opção pelo simplificado, é aplicado o desconto padrão de 20% (independentemente de gastos com saúde e educação, por exemplo). O limite para esse desconto de 20% é de R$ 15.880,89.

O sistema da Receita, no momento do preenchimento da declaração, indica a melhor opção para cada contribuinte. O caminho é começar pela completa, ver o resultado, migrar para a simplificada e comparar. Clique aqui para ver como escolher entre simplificada e completa.

Fonte: cidadeverde.com

 


17 / 03 / 2016 - as 10:17

Será liberado, a partir desta quinta-feira (17), o pagamento do abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) para os trabalhadores nascidos em maio e junho. Quem tem conta corrente ou poupança na Caixa já teve o dinheiro depositado. Este é o último mês de pagamento do calendário 2015/2016. O recurso pode ser sacado até o dia 30 de junho. As pessoas que têm direito ao benefício devem fazer o saque nas agências da Caixa Econômica Federal (CEF) ou nos canais de autoatendimento do banco, casas lotéricas e correspondentes, através do uso do Cartão do Cidadão. Também serão pagos os rendimentos do saldo de quotas do PIS para os trabalhadores cadastrados no programa até 04/10/1988.

Quem tem direito


O abono do PIS é pago ao trabalhador que tem cinco anos de cadastro no PIS/PASEP, recebeu uma média mensal de dois salários mínimos e trabalhou pelo menos 30 dias no ano de 2014. Os dados do trabalhador precisam ter sido informados corretamente pela empresa ao Ministério do Trabalho e Emprego, na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) do ano-base 2014. No caso de dúvidas, o trabalhador pode ligar no 0800 726 0207, opção 1, ou consultar o site da Caixa. 

 


15 / 03 / 2016 - as 10:05

Uma pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) realizada nas 26 capitais do país e no Distrito Federal apontou que a cesta básica em Teresina é a segunda mais cara entre todas as capitais do Nordeste. Em relação ao país, a capital piauiense ficou em 16º lugar.

A pesquisa apontou também que houve um aumento de 0,77% no mês de fevereiro em relação a janeiro e que o trabalhador comprometeu 46,68% de seu salário mínimo para comprar a cesta. O trabalhador teresinense precisar gastar atualmente R$ 377,93 para levar sua cesta para casa.

Segundo o Dieese, os maiores violões para o aumento da cesta foram a banana e farinha de trigo. “O tomate caiu em relação ao mês passado porque houve uma maior oferta do produto. No mês passado essa verdura teve uma aumento de 40% em relação a dezembro. O preço da banana subiu 15%. Essas oscilações sem devem as fatores climáticos e quantidade de oferta de produto no mercado”, disse Clarissa Santos, técnica do Dieese em Teresina.

Já os alimentos que tiveram queda nos preços foram o tomate e pão francês com -9,25% e -0,43%, respectivamente.

Em fevereiro de 2016, o custo do conjunto de alimentos básicos aumentou em 13 capitais do Brasil e diminuiu em outras 14, conforme resultado da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo DIEESE. As maiores altas ocorreram nas capitais do Norte – Macapá (8,93%), Belém (8,64%) e Manaus (7,92%). As maiores retrações aconteceram em Vitória (-8,45%), Palmas (-7,80%) e Campo Grande (-6,00%).

Houve predominância de alta em quase todos os produtos da cesta nas capitais do Brasil, com destaque para o óleo de soja, feijão, leite, açúcar e farinha de mandioca, pesquisada nas regiões Norte e Nordeste. O tomate e a batata, coletada na região Centro-Sul, mostraram diminuição na maior parte das cidades.


24 / 02 / 2016 - as 12:40

A Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz) informou que os consumidores cadastrados no Nota Piauiense já podem visualizar os créditos das notas fiscais para pedir o resgate. Esses créditos são oriundos da devolução de até 30% do acréscimo do ICMS nos estabelecimentos do varejo, limitado a 7,5% do total de cada nota emitida. 

Ao todo, 8.409 consumidores cadastrados no Nota Piauiense obtiveram créditos, sendo que somente 928 conseguiram ter crédito acima de R$ 25,00, portanto, somente estes podem resgatar o crédito das notas fiscais, como prevê o regulamento do programa. “Um dos motivos para não haver geração de créditos de ICMS, pode ser que a loja onde a pessoa comprou não tenha obtido incremento do ICMS no mês, quando comparado com a média dos 12 últimos meses anteriores. Isso ocorre muito quando você compra em lojas que já emitiam nota, independentemente de você pedir ou não. Se a loja sempre emitiu nota, não é porque colocou seu CPF que ela terá aumento de recolhimento de imposto”, explica o Superintendente da Receita Estadual, Antonio Luiz Soares Santos. 

O Superintendente também orienta para as pessoas observarem se na nota fiscal foi destacado o valor do imposto. “Algumas mercadorias não têm ICMS gerado na compra. A mercadoria pode ter isenção, ou pode ter tido ICMS retido na fonte em outro Estado. Nesses casos, não há como devolver algo que não há na nota fiscal de compra”, explica. As compras que não geram crédito são aquelas que o produto não teve ICMS na nota de compra ou que a empresa que vendeu não conseguiu ter incremento em relação à média dos últimos 12 meses anteriores.

Fonte: cidadeverde.com


20 / 02 / 2016 - as 15:47

Os empresários da noite, no municipio de campo maior, a 84 km da capital no norte do estado, já começam a mostrar preocupação com a evasão de consumidores,  que movimentam a vida noturna no municpiuo.Segundo eles a evasão de clientes para outros centros como teresina, é um dos pricipais problemas enfrentados, isso mediante a falta de opção para diversão e entretenimento, principalmente do público jovem , que buscam sempre novidades e atrativos como: baladas , festas com bandas que fazaem sucesso no momento e boates.No municipio esse tipo de opção não existe, prinicipalmente  no que se refere a boates , cinemas e baladas constantes.. " por aqui as festas com bandas famosas acontecem somente em período de festas, como festejos de Santo Antônio, carnaval,e fim de ano."é o que  enfatiza o empresário Erisvaldo, dono de uma casa de pizza ..para ele, que já esta no ramo a mais de 15 anos, esse tipo de opção movimenta a cidade e a noite, fazendo girar dinheiro e com isso movimenta os estabelecimentos, fazendo com que o dinheiro circule e com isso a vida noturne ganhe novas projeções .

Apesar de ter uma gastrônomia reconhecida em todo o estado, o municipio de campo maior,  registra  um momento crítico com essa  evasão de clientes, levando a surgir um quadro de desemprego e fechamento de alguns bares, churrascarias e traylleres , apesar do problema vivido a   crise existente ainda leva o público a  economizar,  almoçar e jantar fora requer um planejamento e para alguns trata-se de luxo, das quase 28 churrascarias existentes na cidade, todas registram um baixo número de clientes e consumo e com a chegada do período chuvoso, o problema se agrava, sendo uma das opções registradas, os pequenos negócios ,como venda de misturinhas ,comercializadas em pontos tímidos de algumas praças, ou até mesmo em frente de  algumas residências e ainda os traylleres com venda de sanduiches.

Com toda essa falta de opção,também entra em cena o conselho tutelar do municipio, que já vêm   criaando estratégias de fiscalização nesses pequenos points de venda,  a fim de coibir o consumo de bebida alcóolica por menores  ficando  alerta a essea movimentação.Em meio a toda essa problemática os empresários da noite agora aposta  no calendário de férias e na chegada dos festejos de Santo Antônio, enquanto isso garatem eles que vão continuar tentando driblar esse quadro mas que lamentam também a falta de investimento nessa área, que tanto proporciona, não só rendimentos como qualidade de vida.

Por F. Royttma 

 

 


19 / 02 / 2016 - as 15:40

Com a chegada do período da quaresma , que antecede a Semana Santa, a familia campomaiorense ja começa a viver antecipadamente o pesadelo gastronômico  do período da semana Santa, Devido a tradição católica, de que nesse período de quaresma, a carne vermelha sai de cena e da mesa de muitas familias, para  dar lugar  ao peixe, bacalhau etc.., muitas dessa familias já começam a lamentar e a se conformar com a presença, mais que atuante, da sardinha e do já conhecido ovo de cada dia, que também anda meio sumido , podendo voltar a qualquer instante com uma nova performance de preço, vendido hoje ja ao preço de R$ 0,50. Esses ítens ainda exibem uma melhor oferta de preço, o fato é que para o consumidor ter a mesa o saboroso bacalhau queijo e peixe, vai ter que gastar bem mais  em comparação a anos anteriores, isso porque o momento é de crise e a alta desses produtos para esse período, está  viabilizando esse pesadelo, que mediante a taxas e impostos até chegar ao consumidor final, faz com que seu preço triplique ate chegar ao mercado consumidor.

Alguns ítens mais populares começam a ser o grande atrativo, como o peixe comum de água doce , mas até mesmo o tambaqui anda meio que vilão nesse período , é que o mesmo também sofreu um aumento considerável de preço custando para o consumidor o preço e R$ 13,00 A 15,00 o kilo.Já o tomate teve alta estratosférica , segundo alguns consumidores , chegando a  R$ 8,00 o kilo desse produto sem muita qualidade, relacionado a tamanho e aparência.O queijo segue os passos do bacalhau que nesse período ganha aumento e chega a sumir da mesa de alguns apaixonados pela iguaria, mas que, a medida que acaba o período da semana santa, passa a ser vendido apreço de banana.. lamenta alguns consumidores .Para a dona de casa Raimunda Nonata da Paz , residente no conjunto Jose de Almeisa, o jeito é preparar a mesa com criatividade e aderir ao consumo de saladas , ja que muitos preferem dar um não ao consumo de carnes vermelhas.O Vaticano chegou a dismistificar essa cultura de naõ comer carne vermelha durante a queresma e semana santa, podendo os católicos comer carne opatndo por realizar boas ações e atividade de ajuda ao próximo .

por F.Roytman


13 / 01 / 2016 - as 09:46

Não teve jeito! Teresina fechou o ano de 2015 com a inflação em dois dígitos: 10,67% - mesmo percentual da inflação nacional, medida pelo IPCA. A informação é da Fundação Cepro, órgão oficial responsável pelo cálculo do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no Piauí. Em novembro, este número já havia chegado aos dois dígitos, porém, segundo o diretor de estatísticas responsável pela pesquisa, Elias Alves Barbosa, não se esperava um aumento tão significativo no último mês do ano. “Todo mês de dezembro temos alta em determinados setores, mas há muitos anos não se chegava a tanto. Tivemos agora um aumento de 1,18% no Custo de Vida do teresinense e isso dado, principalmente, aos produtos alimentícios que, sozinhos, aumentaram 2,64%”, descreve o pesquisador.

Os principais responsáveis pelo aumento anual da Inflação na capital foram exatamente aqueles que pesam diretamente sobre o orçamento das famílias de menor poder aquisitivo:

- Alimentos (+13,55%)
- Transportes (+13,77%)
- Serviços de Natureza Pessoal (+13,41%)

Por outro lado, houve deflação de 1,42% no setor de vestuário. A Cepro atribui o resultado à diminuição do poder de compra do consumidor, que está com gastos limitados. "O setor teve que baixar preços para atrair teresinenses. Vimos isso neste último mês e vamos ver isso se repetir nos próximos, com certeza”, explica o diretor de estatística.

Fonte: cidadeverde.com


 



PUBLICIDADE