11 / 09 / 2018 - as 11:26

Na noite dessa segunda-feira 11/9, foi realizada plenária organizada por Marcelo Miranda e o vereador Manin Pereira para apresentar aos amigos e lideranças as candidaturas de Paulo Martins, (Estadual) e Assis Carvalho (Federal). Mais de 500 pessoas estiveram presentes no evento. Participaram também do ato, o deputado Aluísio Martins e o prefeito Professor Ribinha.
 
Em sua fala Ribinha disse que o momento serve para que os candidatos possam apresentar suas perspectivas para uma saúde ainda mais humanizada em Campo Maior. Marcelo Miranda e manin Pereira agradeceram a presença de todos e destacaram os avanços na saúde municipal.
 
 
 
 
 
Fonte Portal de Campo Maior

11 / 09 / 2018 - as 08:14

Iniciativa pioneira da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Piauí, acontece nesta terça-feira (11) o Debate Eleições Estaduais 2018 com os candidatos ao Senado, que contará com transmissão ao vivo pelas redes sociais, portais e rádios de todo o Estado. O debate terá início às 16h, no Auditório da Instituição, e é uma promoção das Comissões de Direto Eleitoral e Direitos Humanos.
 
O presidente da OAB-PI, Chico Lucas, destaca que, pela primeira vez, o debate será transmitido ao vivo. “Temos mais de sessenta veículos de Norte e Sul do Estado interessados em transmitir nosso debate. O nosso objetivo é fazer com que mais eleitores tenham acesso às propostas e ideias que serão apresentadas pelos candidatos e possam escolher, com maior propriedade, seus próximos representantes”, disse o presidente.
 
Os 18 candidatos ao Senado poderão explanar seus projetos para o Piauí. Estão confirmados: Elizeu Aguiar (PSL), Robert Rios (DEM), Antonio José Lira (PSL), Gervásio Santos (PSTU), Genival Oliveira (PSC), Flávia Barbosa (PRP), Jesus Rodrigues (PSOL), Ciro Nogueira (PP), Marcelo Castro (MDB), Lafayette Andrade (DC), Professor Fausto Ripardo (PCD), Quem-Quem (AVANTE), Frank Aguiar (PRB), Albetiza, Dr. Marcos (PTC), Paulo Henrique (Rede Sustentabilidade), Joaquim Saraiva (DC) e Wilson Martins (PSB).
 
O debate contará com cinco blocos e duração aproximada de três horas. Os candidatos terão que apresentar seus projetos sobre temas de cidadania, como Proteção a Mulher, População LGBTI, Educação, População Negra, Cultura, Pessoas com Deficiência, Meio Ambiente, Criança e Adolescente, Pessoa Idosa, Saúde, Esporte e Lazer, Emprego e Renda, Mobilidade Urbana, Moradia, Políticas sobre Drogas, Segurança Pública, Sistema Penitenciário e Pessoas em Situação de Rua.
 
No terceiro bloco, será a vez dos jornalistas dos veículos de comunicação credenciados fazerem suas perguntas aos candidatos. Já no quarto bloco cada candidato poderá formular uma pergunta para o seu opositor, com tema livre e direito à réplica e tréplica.
 
“Tivemos o cuidado de ouvir os profissionais de comunicação e os assessores dos candidatos a fim de promover um debate de ideias e que possa orientar os eleitores que ainda estão em dúvida quanto ao seu voto para governador e senador. A participação dos jornalistas no debate, por outro lado, é para oportunizar que esses profissionais, que convivem diariamente com as mazelas sociais, possam levar a voz do cidadão ao debate”, complementou Chico Lucas.
 
Os portais ou demais meios de comunicação interessados em replicar o debate ao vivo poderão solicitar à OAB-PI o link de transmissão via internet pelo telefone (86) 2107-5807 ou e-mail: comunicacao@oabpiaui.org.br. No dia 18 de setembro, também às 16h, acontecerá o debate com os candidatos ao Governo.

10 / 09 / 2018 - as 11:55

Sempre atento as necessidades de todos segmentos da sociedade piauiense, o deputado federal e candidato à reeleição capitão Fábio Abreu (PR) tem como uma das suas prioridades buscar condições que possibilitem a inclusão social de pessoas com deficiência auditiva. Uma prova disso, é que o candidato vem buscando conhecer a realidade e promover melhores condições da comunidade. 
 “A comunidade surda necessita de uma atenção especial, por isso temos buscado entender melhor as dificuldades. Nesse primeiro momento entendemos que é necessário uma sede para a Associação dos Surdos de Teresina (ASTE) que tem atuado em defesa dos direitos dos surdos. Temos esse compromisso de ajudar para viabilizar a sede própria para a ASTE. Além disso, temos a possibilidade de buscar avanços por meio de projetos e leis que venham beneficiar os surdos. Durante o mandato vamos trabalhar para conseguir avanços importantes relacionadas a lei, pois estamos comprometidos em contribuir com a comunidade surda”, afirmou Fábio Abreu.   
 
Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aproximadamente 10 milhões de pessoas possuem alguma deficiência auditiva no Brasil. Em Teresina, estima-se que esse número chegue a 7 mil surdos.  
 
O presidente da Associação dos Surdos de Teresina (ASTE), Marcos Patrício, fala da importância do apoio do parlamentar para a comunidade. “Estou preparando alguns projetos e contamos com o apoio do Fábio Abreu nessa caminhada para que possamos acabar com as limitações e promover a inclusão da nossa comunidade na sociedade piauiense”, afirmou.
 
Fonte Portal Visão do Piaui 

06 / 09 / 2018 - as 11:03

Os candidatos a deputado estadual com base política em Campo Maior começaram a realizar plenárias com apoiadores e lideranças. Nessa semana, por exemplo, o candidato a deputado Paulo Martins teve encontro com apoiadores campo-maiorenses foram convidados a se transformarem em multiplicadores.
O encontro contou com a presença do prefeito Professor Ribinha, que é o coordenador municipal da campanha de Paulo Martins. Ele defendeu o nome do candidato petista ao dizer que Paulo reúne as melhores condições para representar o município no parlamento.
“Nessa caminhada estamos a cada momento percebendo que mais amigos querem caminhar com a gente, participar, votar e pedir votos. Reunimos apoiadores e lideranças para abraçar o candidato a deputado Paulo Martins, que apresentou as suas propostas que possam melhorar ainda mais nossa Campo Maior”, destaca o prefeito.
 
Paulo Martins, em sua fala, disse que se sente à vontade em pedir votos para os campomaiorenses, uma vez que tem relevantes serviços prestados ao município e ao povo de Campo Maior quando ocupou o cargo de deputado estadual e também quando foi prefeito campomaiorense. 
 
Fonte Portal de Campo Maior
 

05 / 09 / 2018 - as 10:38

A reunião aconteceu nessa noite de terça-feira (4), próximo ao Shopping e contou com a presença de centenas de apoiadores do Presidente da Câmara de Vereadores de Campo Maior Fernando Miranda.

Fábio Abreu que se encontrava em Brasília foi representado pelo Delegado Lucy Keiko e pelo Vice Prefeito de José de Freitas Antônio Abreu, irmão de Fábio.

Eles lembraram que o Deputado Federal destinou mais de R$ 2 milhões de reais oriundas de emendas para Campo Maior destinadas a Sáude e aparelhamento da polícia civil e militar. Além disso vai destinar parte das emendas dele para a instalação da UTI de Campo Maior.  

Dr. Hélio que tem base em Parnaíba garantiu que vai está ao lado das autoridades de Campo Maior no momento das reivindicações junto ao Governo do Estado e outros órgãos do poder público.

 

 


01 / 09 / 2018 - as 11:12

  

(FOLHAPRESS) - Em sessão extraordinária que durou mais de nove horas, cinco ministros, que já representam a maioria do Tribunal Superior Eleitoral, votaram por barrar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com base na Lei da Ficha Limpa.

Nos termos do voto do relator, Luís Roberto Barroso, que foi acompanhado pela maioria, a decisão do plenário do TSE é a palavra final sobre a candidatura e passa a valer imediatamente, mesmo que a defesa de Lula recorra ao próprio tribunal e depois ao Supremo Tribunal Federal.

Os ministros decidiram, seguindo o voto do relator, que o PT tem dez dias corridos para substituir Lula na cabeça da chapa.

Enquanto isso não for feito, o partido não pode fazer campanha nem utilizar seu tempo no horário eleitoral no rádio e TV. O plano B do partido é o vice, Fernando Haddad.

O registro de candidatura do ex-presidente foi alvo de 16 contestações de adversários e da Procuradoria-Geral Eleitoral. Lula está preso em Curitiba desde 7 de abril, depois de ter sido condenado em segunda instância na Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP). Ele nega os crimes e diz ser perseguido politicamente.

Votaram por negar o registro de candidatura o relator do processo, Barroso, além de Jorge Mussi, Og Fernandes, Admar Gonzaga e Tarcísio Vieira.

Já Edson Fachin reconheceu a inelegibilidade de Lula, mas votou por liberar sua candidatura devido a uma decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU obtida pela defesa. Até a conclusão desta edição, o placar estava em 5 a 1 e a presidente do TSE, Rosa Weber, lia seu voto.

O processo de registro de candidatura do petista entrou na pauta da sessão extraordinária de última hora, em meio a uma discussão sobre prazos. A defesa solicitou o adiamento do julgamento, argumentando que não houve tempo para as partes que contestaram o registro rebater os argumentos de Lula, que foram entregues ao TSE na noite da quinta (30).

Esse pedido foi negado por 4 votos a 3. Fachin, Og Fernandes e Rosa queriam abrir o novo prazo, mas foram vencidos.

A procuradora-geral, Raquel Dodge, e o relator do processo, Barroso, afirmaram que era preciso resolver a situação de Lula antes do início do horário eleitoral, que é neste sábado (1°) para candidatos à Presidência.
O argumento da liminar do Comitê da ONU, de que Lula poderia concorrer até que a Justiça julgue todos os recursos de sua condenação criminal, foi o mais enfrentado pelos ministros em seus votos.

"A Justiça Eleitoral não está obrigada a se submeter ao Comitê dos Direitos Humanos da ONU", entendeu Barroso.

Segundo ele, o órgão internacional é administrativo, sem competência jurisdicional, e suas decisões não vinculam (obrigam) a Justiça brasileira.

Fachin, diferentemente, fez uma longa análise sobre a abrangência da medida cautelar do comitê ONU e entendeu que o Estado brasileiro tem o dever de acatá-la.

"Diante da consequência da medida provisória do Comitê de Direitos Humanos, [Lula] obtém o direito de paralisar a eficácia da decisão que nega o registro de candidatura. Assento, como fez o relator [Luís Roberto Barroso], a inelegibilidade, e entendo que essa inelegibilidade traz o indeferimento da candidatura", disse Fachin.

"Contudo, em face da medida provisória obtida no Comitê de Direito Humanos, se impõe, em caráter provisório, reconhecer o direito, mesmo estando preso, de [Lula] se candidatar às eleições presidenciais de 2018", afirmou. Tal entendimento, porém, não prevaleceu.

Barroso fez de seu voto uma defesa da Lei da Ficha Limpa, posição já adotada em outras ocasiões. "A Lei da Ficha Limpa não foi um golpe ou uma decisão de gabinetes. Foi, em verdade, fruto de uma grande mobilização popular em torno do aumento da moralidade e da probidade na política", afirmou.

"Mais de um milhão e meio de assinaturas foram colhidas para apresentar o projeto de iniciativa popular. A lei foi aprovada na Câmara e no Senado com expressiva votação e sancionada com loas pelo presidente da República [o próprio Lula]. A lei desfruta de um elevado grau de legitimidade democrática", disse Barroso.
O advogado Luiz Fernando Casagrande Pereira, que defende Lula no TSE, afirmou que havia precedentes para que o petista pudesse disputar. "O que o presidente Lula quer não é nada a mais do que o que deram para 1.500 [candidatos] de 2010 [quando a Ficha Limpa entrou em vigor] para cá. Mas também não pode ser nada a menos", afirmou.

Segundo ele, nas eleições municipais de 2016, 145 candidatos concorreram sub judice, e parte conseguiu se eleger e assumir o cargo posteriormente com o sucesso de seus recursos na Justiça.

Ainda segundo Casagrande, há um precedente de candidato à Presidência que apareceu na urna em 2006, mesmo com registro indeferido pelo TSE: Rui Costa Pimenta, do PCO.

Os ministros, porém, afirmaram que a jurisprudência da corte mudou, e que hoje entende-se que, com a palavra final do plenário do TSE, não há como concorrer sub judice.

O que acontece a partir de agora

- Nos termos do voto do relator, acompanhado pela maioria da corte, a decisão já estará valendo, independentemente de eventual recurso da defesa

- Pela decisão, o PT tem dez dias corridos para substituir Lula. Enquanto não houver a substituição, o partido não pode fazer campanha nem utilizar rádio e TV

- O PT ainda pode, em tese, recorrer ao STF, caso decida insistir na candidatura de Lula. Mas o cenário é pouco provável

- O candidato a vice, Fernando Haddad, deve assumir a cabeça da chapa.

 


31 / 08 / 2018 - as 09:28

 
O Ministro Corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Jorge Mussi, determinou o afastamento do presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), Francisco Antônio Paes Landim, até a diplomação, por conta do parentesco do seu irmão, José Francisco Paes Landim, candidato a deputado federal nas eleições gerais de 2018. A ação foi ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral.
 
O presidente chegou a dizer, em sessão no dia 07 de agosto,  que o impedimento seria apenas para os processos em que seu irmão fosse interessado de alguma maneira. Afirmou, já em sua defesa no TSE, que “esse impedimento absoluto e genérico ainda criaria situação verdadeiramente surreal, em que o juiz ficaria afastado de sua atuação por quase 5 meses”.
Na decisão, o ministro disse que "não é demais acentuar que o exercício da Presidência de um Tribunal Eleitoral impõe a prática de ações e a adoção de providências que impactam direta e indiretamente todo o processo eleitoral, cuja integridade e lisura constituem imperativos a serem protegidos, em resguardo da absoluta isenção desta Justiça Especializada, bem jurídico maior tutelado pela norma".
 
Ainda de acordo com o ministro, só depois da diplomação dos eleitos, o presidente se afastaria somente para os eventuais feitos decorrentes do processo eleitoral que envolvam diretamente o seu irmão.
 
A decisão é de cumprimento imediato.
fonte: cidadeverde.com

 


30 / 08 / 2018 - as 09:10

O entrevistado desta quinta-feira (30) do Jornal Regional 1ª edição, da rádio Meio Norte de Campo Maior, foi o candidato a Deputado Estadual, Devan Eugênio (PR).

O candidato disse que suas propostas tem o objetivo de trazer benfeitorias para o povo mais carente. “ Nessas minhas andanças tenho convivido de perto com muitas pessoas e sei da situação delas”, declarou.

 



PUBLICIDADE